Blog

Dicas e soluções para seu negócio

Razões para sua empresa investir em um aplicativo para mobiles

Aplicativos para celular

Me recordo bem que no começo dos anos 2000, quando estava forte a onda dos websites aqui nas terras tupiniquins, era muito comum as empresas buscarem sites para seus negócios, impulsionadas pela novidade, imaginando que isso alavancaria as venda e houve casos em que eu cheguei a ouvir pessoas dizendo que se você não tivesse um site a empresa correria o risco de perder grandes negócios. E até recentemente eu vi temores parecidos ainda referentes a sites.

Hoje sabemos muito bem que não basta a empresa possuir um site e que ela precisa desenvolver campanhas on-line para apresentar sua empresa aos seus clientes e, no decorrer do tempo, as coisas ficaram ainda piores com o advento das redes sociais que complexaram ainda mais as relações entre empresas e clientes no mundo cibernético, o site é uma parcela dessa relação, que em alguns casos chega a ser dispensável. Então, o que na época era algo como “faça um site senão você quebra” hoje vemos que não passava de um mito que criaram em cima de uma novidade, tanto quanto criaram um mito em cima de aplicativos, mas que vejo que está se esvaecendo ao longo do tempo e à medida que as pessoas viram que “não é apenas criar um app que você fica rico”.

Mas, afinal de contas, por que sua empresa precisa de um app?  

A depender do tipo de negócio, o app pode aproximar sua empresa de seu cliente usando os recursos que estão disponíveis em um aparelho celular, por exemplo. Alguns desses recursos, como a singela notificação, o GPS, câmera, localização, etc. quando usados, sem exageros, podem atrair a atenção de possíveis compradores para sua empresa. Temos como exemplo, aplicativos de reserva de hotel, aplicativos de delivery (como o iFood), o polêmico Uber, o Whatsapp e até mesmo o Facebook que, normalmente esquecemos dele, mas ele estendeu o site de relacionamento para os bolsos das pessoas e hoje em dia é difícil alguém que não esteja conectado com seus amigos 24 horas por dia através do celular e se esqueça disso. Mas esses são negócios que nasceram para celular, porém há casos em que empresas que não tinham como foco a interação com seu cliente através do celular, mas usaram a opção do App para facilitar a vida de seus clientes. Por exemplo, diversas revistas e jornais criaram aplicativos para manter o assinante atualizado, a Sodexo e a Ticket criaram aplicativos que facilitam a consulta aos vales que eles comercializam e até mesmo os Correios criaram um aplicativo para rastreio. São todas ideias que buscaram ampliar o negócio e criar um vínculo mais forte com os clientes.

 

Então a primeira pergunta que você deve se fazer é se seria válido a aproximação de seus clientes através de um aplicativo, de que forma isso deveria acontecer e se os custos são atraente em vista da expectativa de sucesso da ideia aplicada, pois para um vendedor de cachorro quentes que queira que seus clientes tenham à mão uma forma mais rápida de fazer pedidos, pode não fazer sentido se esse negócio não possui delivery, por exemplo.

A cor no web design e como reforçar seu significado

significado das cores

Na vida de um web designer é fundamental saber equilibrar cores no layout do site, mas para fazer tal equilíbrio não basta apenas usar as cores da marca da empresa em um fundo trabalhado para acreditar que tudo dará certo. O trabalho é mais complexo.

 

Muitas empresas quando contratam um web designer já possuem seu logo e sua identidade visual, então o trabalho do web designer será o de equilibrar essas cores em um layout que complemente os significados que as cores têm na marca da empresa. Por exemplo, se a empresa utiliza a cor vermelha em seu logo para transmitir a ideia de “romance”, então o web designer terá que manter essa ideia ao longo do layout e complementar essa ideia com o uso de cores e formas que reforcem a ideia.

 

Alguns sites ignoram o significado das cores da identidade visual da empresa e o site que deveria ser institucional simplesmente perde um pouco de sua relevância para o visitante do site. Isso pode não ser ruim para o layout em si, se ele cumprir outras funções como navegabilidade e comunicabilidade, mas pode ser complicado para consolidar a marca da empresa no mercado com alguma equidade. Principalmente para micro e pequenas empresas que estão em seus estágios iniciais (mas não exclusivamente), é essencial que sua marca inicie no mercado solidificando seus significados e passando ao cliente todos os atributos que sua empresa realmente tem.

 

 

Para concluir, tenha em mente que você terá que ter um layout que no primeiro golpe de olhar transmita ao cliente todos os diferenciais da sua empresa e como sua empresa pretende atender as necessidades do seu cliente e quais valores irá agregar nessa relação. Ao menos, seu site deveria passar o máximo possível dessas ideias. 

O que é Bootstrap

bootstrap logo

É muito comum eu ouvir pessoas falarem sobre Bootstrap, mas fazerem algum tipo de confusão. Não é culpa delas, talvez seja decorrente até mesmo da própria versatilidade do Bootstrap que seja tão comum confundi-lo com algum efeito de transição.

 

O que de fato é o Bootstrap? É um Framework que auxilia na apresentação do seu site ou do seu sistema. Ele carrega consigo diversos componentes estilizados que, a grosso modo, trabalham com a estética do seu site, de forma inteligente e bem construída. Você pode facilmente estilizar um formulário com apenas algumas linhas de código.

 

É um projeto do Twitter de distribuição gratuita e hoje conta com uma ampla comunidade e um rico material de apoio. Ele é uma excelente forma de fazer com que seu site possua elementos preparados para mobiles de forma mais simples e com prevenção a bugs, o que é de suma importância e arriscaria dizer que é um dos maiores fatores a que se deve a sua popularidade.

 

Naturalmente que ao conhecer um pouco mais o Bootstrap você vai notar que ele tem um aspecto próprio padronizado, um botão de “enviar” pode ter a cor azul ou cinza, por exemplo, mas são sempre as mesmas cores e uma hora você vai se perguntar: “Mas meu site vai ficar com a mesma cara que o site de todo mundo?” a resposta é “não, a mesmo que você queira”, pois é possível customizar os elementos do Bootstrap e personaliza-los conforme os aspectos do seu site. Então você consegue usar todos os recursos poderosos que ele oferece e customizar isso tudo.

 

O custo de se utilizar o Bootstrap é baixo ou quase inexistente, visto que é amplamente difundido e qualquer programador consegue utilizá-lo e tratar possíveis bugs. A maior preocupação talvez venha a ser sobre o desempenho. Pesquisei muito sobre o Bootstrap para utilizar em meus projetos e algumas pessoas realmente se preocupam um pouco em relação ao desempenho, porém, se você não for utilizá-lo e preferir desenvolver tudo desde o início, invariavelmente irá criar ferramentas que já existem no Bootstrap e terá que tratar erros que já foram corrigidos, então se ele carregar o mínimo que for a página do seu site, ainda sim valerá mais a pena mantê-lo como recurso do seu site do que tentar recriar algo que já foi estudado por uma grande equipe de desenvolvedores.

 

 

Vale a pena o uso do Bootstrap, pois ele tem baixíssimo custo de manutenção e em relação a desempenho ele não deixa a desejar. 

Sobre Frameworks

framework

O que é um framework

Um framework é uma abstração que reúne em um grande pacote funcionalidades comuns a maioria dos projetos de softwares, ou seja, é um conjunto de códigos previamente projetados que realiza diversas tarefas básicas, como, por exemplo, a mais básica das funções que é uma conexão a um banco de dados. É o básico de um sistema de informação e, a partir dele, você pode desenvolver um software com uma funcionalidade específica. Mas há duas formas de se obter um framework, uma é adquirindo um framework de mercado e a outra é criando um framework inteiramente seu.

 

Dessa forma, deveria a empresa investir em um framework de mercado ou iniciar o desenvolvimento de um Framework próprio? Essa é uma discussão bem persistente no setor de tecnologia e a verdade é que depende muito do próprio projeto a ser realizado. A vantagem de se ter um framework próprio é não ser necessário tanto tempo para conhecer a estrutura, ferramentas, interfaces e suas funcionalidades, mas a desvantagem é ter de desenvolver todas as funcionalidades básicas a partir do zero que, apesar de parecer vantajoso por você poder criar tudo ao seu modo, pode não ser pois há muitas atividades que são primárias e não se diversifica muito na construção dessas funções.

 

Se você optar por um framework de mercado, haverá a necessidade de escolher um que seja popular, assim como ele precisará possuir um bom material de apoio, uma comunidade ativa e facilidade no uso e aprendizagem, pois isso reduzirá muito os custos na resolução de problemas e manutenção do sistema. Alguns dos frameworks PHP mais populares e que atendem a todos esses requisitos são o Laravel, CakePHP, CodeIgniter, Zend etc. Apesar de todos esses listados atenderem aos requisitos mencionados anteriormente, eles possuem algumas características próprias, como o Zend, que é mais favorável para projetos maiores e o CodeIgniter que possui mais leveza e rapidez.

 

O Laravel é um Framework popular e uma ferramenta mais recente se comparada com CakePHP, por exemplo. Sua estrutura é de fácil aprendizagem e possui uma ampla documentação. Para utilizar o Laravel é imprescindível que você saiba trabalhar com Composer (o que é Composer?), o que na verdade pode ser uma vantagem em relação a outros que não utilizam gerenciadores de dependência nativos. Mas para rodar, o Laravel é importante dispor de um servidor dedicado, como os da Amazon, devido a sua exigência de processamento comprovadamente demonstrado pela TechEmpower.

 Custos

Todos esses frameworks são gratuitos e, dessa forma, no primeiro momento você não precisará investir valor algum na aquisição deles, mas o que irá definir se um é mais dispendioso do que o outro é justamente a manutenção do sistema. Como mencionado anteriormente, o Laravel exige um poder de processamento maior, então para um sistema WEB que bastaria uma hospedagem simples, pode não ser ideal o uso dele. Ao usar um Framework como o CodeIgniter que é leve, porém não utiliza gerenciador de dependências nativo, o custo poderá ser, talvez, no tempo que será gasto para implementar novas bibliotecas, por exemplo, entre outras atividades.

 Conclusão

Todos esses fatores devem ser considerados na hora de escolher um Framework e você, muito provavelmente, irá precisar da ajuda de um profissional da área que lhe guiará devidamente nessa escolha, inclusive considerando a elaboração de um Framework de desenvolvimento próprio. Busque sempre um profissional qualificado para seu projeto pois, como você pôde observar ao longo do texto, as opções são diversas e pode ter uma escolha que não seja totalmente adequada ao seu projeto. 

O composer

composer

O Composer é uma forma de utilizar o código já escrito por outros desenvolvedores para compor seu projeto. Ele exime a necessidade de “reinventar a roda” e dar continuidade no código já escrito complementando o projeto para um fim específico. Ou seja, usando uma analogia de um carro, é como se você tivesse um carro e quisesse adicionar um turbo nele, você não iria fabricar um turbo por conta própria, você iria comprar um no mercado e adicionar no seu motor, configurando ele conforme o contexto que ele estivesse inserido. O Composer permite fazer esse tipo de adaptação em projetos PHP, mas de forma organizada, não é à toa que ele se chama de “gerenciador de dependência”, dependência, no caso, são os códigos de terceiros que você compõe no seu projeto. 

Me encontre também em:

logo Freelancer logo Upwork